Em destaque

Cresce o número de matrículas na rede estadual de ensino no ES

O número de solicitações de matrículas, para o próximo ano letivo, na rede estadual de ensino cresceu 10% em comparação com 2017. Os dados foram apresentados, na tarde desta sexta-feira (29), pelo secretário de Estado da Educação, Haroldo Rocha, que na oportunidade também anunciou as novidades para 2018.

Durante o período de Chamada Pública Escolar para o ano letivo de 2017, foram 227 mil solicitações de matrículas ao todo. Já neste ano, esse número subiu e foram mais de 250 mil solicitações para 2018. Desse total, mais de 73 mil foram de rematrícula, mais de 60 mil de pré-matrícula e 16 mil de transferência interna.

“Em 2017 passamos a fazer a matrícula totalmente online. Foi um grande aprendizado, pois vimos que dessa forma as famílias participam muito mais da vida dos seus filhos. Para o ano que vem, foram 250 mil solicitações e temos capacidade para atender até 350 mil estudantes. Temos escolas para todos, não é por falta de vagas que adolescentes e jovens estão fora da escola”, comentou o secretário.

Dentre os pedidos de matrículas, para o próximo ano, 6.464 são de estudantes vindos da rede privada de ensino. Já as escolas mais requisitadas da Grande Vitória foram: Prof. Renato José da Costa Pacheco, em Vitória, Escola Viva Joaquim Beato, na Serra, Escola Viva Assisolina Assis de Andrade, Vila Velha, Hunney Everest Piovesan, Cariacica, e Escola Viva José Leão Nunes, também em Cariacica, que inicia as atividades em tempo integral em 2018.

A Escola Viva

Dando continuidade a expansão do Programa Escola Viva, 20 mil vagas de educação em tempo integral serão ofertadas no próximo ano para os estudantes capixabas em mais 15 novas unidades. Agora, ao todo, são 32 unidades Escola Viva.

A Grande Vitória contará com mais seis novas Escolas Vivas. São elas: Fernando Duarte Rabello, em Vitória; Galdino Antônio Vieira, em Vila Velha; Novo Horizonte, na Serra; Itagiba Escobar, José Leão Nunes e Maria Penedo, em Cariacica.

No interior do Estado, municípios de Norte a Sul também foram contemplados com a educação em tempo integral. Em Aracruz, São Gabriel da Palha, Barra de São Francisco e Baixo Guandu as vagas serão ofertadas nas escolas Monsenhor Guilherme Schmitz, São Gabriel da Palha, João XXIII e Baixo Guandu, respectivamente.

Em Cachoeiro de Itapemirim, que desde 2016 possui a Escola Viva Francisco Coelho Ávila Junior, a segunda unidade Escola Viva no município ficará na Liceu Muniz Freire. Já no município de Alegre, os projetos de vida serão construídos na Aristeu Aguiar, em Mimoso do Sul, na Antônio Acha, em Itapemirim, na Washington Pinheiro Meirelles e em, Anchieta, no Sesi-Senai.

“O nosso compromisso com a Educação é para formar uma juventude de alto nível de conhecimento e preparada para o mundo de hoje. A Escola Viva é mais que uma escola. É uma ferramenta importante de transformação social, que tem o compromisso de fazer os estudantes buscarem os seus sonhos”, frisou Haroldo Rocha.

Toda estrutura física e de pessoal já está sendo viabilizada para as novas unidades, onde os estudantes terão um período de turno único, com permanência de 9h30 na escola. Laboratórios, salas temáticas, auditório, biblioteca, refeitório, quadra poliesportiva e ginásio esportivo.

Jovem de Futuro

Transformar a escola numa realidade participativa e democrática, onde os estudantes discutem e buscam soluções para os problemas do dia a dia, esse é objetivo do Jovem de Futuro.  Em 2018, 250 escolas serão atendidas com o programa.

O secretário explicou que “o Jovem de Futuro é uma metodologia específica desenhada para as escolas de meio turno. Todas as escolas serão atendidas com essa ferramenta que irá melhorar os índices dessas escolas e chegaremos a um dos melhores Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Brasil”.

Com o Jovem de Futuro, as escolas realizam um modelo de gestão escolar que inclui diagnóstico, definição de metas para cada uma, elaboração de planos de ação, acompanhamento sistemático das iniciativas e de seus resultados e correção de rotas quando necessário, visando essencialmente o aprendizado dos jovens estudantes do Ensino Médio.

Pacto pela Aprendizagem no ES

A melhoria dos indicadores educacionais dos estudantes da educação básica chega em 2018, por meio do Pacto pela Aprendizagem no Espírito Santo (Paes), com uma série de ações previstas para os municípios que assinaram o termo de adesão: material estruturado em uso pelo 1º ano do Ensino Fundamental; 1.800 professores do 1º ano do Ensino Fundamental capacitados; 30 mil livros de literatura infantil distribuídos para as escolas; criação do Prêmio “Escola que Colabora”; 1.000 pedagogos e gestores municipais capacitados; avaliação trimestral e avaliação da oralidade, por meio de aplicativo no celular.

O Governo do Estado também irá direcionar R$ 50 milhões, com recursos próprios, aos municípios, por meio do Fundo Estadual de Apoio à Ampliação e Melhoria das Condições de Oferta da Educação Infantil no Espírito Santo, para que sejam construídas, inicialmente, 40 unidades de educação infantil.

“O Fundo Estadual é para que, por meio do Paes, o Estado possa apoiar ainda mais os municípios. Atualmente, 31% das crianças, de 0 a 5 anos, são atendidas pelos municípios. A meta do Plano Nacional de Educação é o atendimento de 50%. Os munícipios não estão conseguindo atender adequadamente e expandir na medida do necessário. A ideia é apoiar para que eles possam acolher mais crianças nessa faixa etária e assim a gente possa qualificar a educação desde a creche até o ensino médio, cuidando para que tenhamos uma geração melhor formada no futuro”, ressaltou o secretário.

Até o momento, 53 municípios capixabas aderiram ao Paes e estão fazendo parte desse grande movimento de transformação e crescimento da aprendizagem das crianças e jovens do Espírito Santo. Uma das principais metas do Pacto é que 100% dos municípios façam a adesão até o final de 2018.

Aula Dada

Visando garantir que as aulas previstas no calendário letivo e os respectivos conteúdos curriculares sejam efetivamente aplicados para os estudantes da rede estadual, a Sedu irá promover o projeto “Aula Dada”. Com isso, cada unidade de ensino terá um plano de ação e poderá recrutar até um profissional para substituir um professor ausente em sala de aula.

“Durante o ano letivo de 2017 registramos na rede estadual uma média de 234 ausências por escola. Considerando que são 200 dias letivos no ano, todos os dias há pelo menos um professor ausente por turno de aula. O Aula Dada irá criar procedimentos padronizados de conduta da direção escolar para lidar com essas ausências de docentes, garantindo a aprendizagem dos estudantes”, destacou o secretário.

Base Nacional Comum Curricular

 O Espírito Santo larga na frente. Com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), já estão sendo feitas adequações dos currículos da Educação Infantil e Ensino Fundamental“A BNCC é um avanço na longa luta para melhorar a Educação brasileira. Agora que foi aprovada, estamos trabalhando na revisão do currículo capixaba e também vamos repensar a formação dos professores, todo o material didático e as avaliações”, ressaltou Haroldo Rocha.

A BNCC é considerada fundamental para reduzir desigualdades na Educação no Brasil, e países desenvolvidos já organizam o ensino por meio de bases nacionais. A ideia é que, com o documento, o País possa garantir maior equidade no acesso aos conteúdos considerados essenciais.

Tecnologia nas escolas

O secretário Haroldo Rocha também anunciou melhoria na infraestrutura tecnológica das escolas rede estadual com a implantação de 100 laboratórios de informática móveis; 70 novas escolas terão wi-fi, até março; e, até julho, todas as escolas estaduais da Região Metropolitana estarão conectadas com fibra óptica.

Para Haroldo, “é preciso inserir cada vez mais nas escolas a cultura digital. Utilizar as tecnologias na escola possibilita aos estudantes uma aprendizagem significativa, onde eles aprendem a fazer na prática, experimentando novas possibilidades de aprender no seu ritmo e com as ferramentas certas, adequadas as suas expectativas. Celulares e tablets são ferramentas já de domínio dos estudantes e incorporadas em seu dia a dia”, explicou.

PIBIDES – Formação Docente

Em 2018, também terão oportunidades para os universitários. A Sedu ofertará mil vagas para estudantes de licenciatura em Matemática, Letras, Biologia, Física, Química e Pedagogia, além de uma bolsa de R$ 570,42, mais vale transporte.“Esse é uma excelente oportunidade para o estudante integrar a teoria aprendida com a prática da docência em sala de aula, contribuindo assim para a formação profissional dos futuros professores”, disse o secretário.

Melhoria dos espaços físicos

Já estão previstas, para 2018, construções, reformas e ampliações de 15 unidades escolares em diversas regiões do Estado. Também serão reconstruídas quadras e centros esportivos de mais 15 escolas, além de obras de manutenção e reforma de 100 unidades.“Estamos dando mais velocidade para as obras nas unidades escolares, garantindo diversas obras em andamento e mantendo a segurança e o bom funcionamento da rede”, frisou o secretário.

Categorias
Em destaqueGeral
FACEBOOK