Mundo

Donald Trump é inocentado em julgamento de Impeachment no Senado e continua na presidência

A partir de agora, com a absolvição de Trump, a expectativa é de que tanto governistas quanto oposição voltem suas atenções à campanha eleitoral e às primárias democratas, que definirão o candidato a enfrentar o presidente nas urnas em 3 de novembro.


PUBLICIDADE



No julgamento do impeachment do presidente americano Donald Trump, teve 52 votos a seu favor e contiará como presidente do EUA, pois eram necessários dois terços da Casa (67) para que ele fosse condenado e removido do cargo 48 se. O placar foi semelhante na votação da segunda acusação: 53 a 47 em favor de Trump. O processo de impeachment reforçou a polarização partidária nos EUA: enquanto a Câmara, de maioria democrata (oposição), defendeu a saída do presidente, o Senado, de maioria republicana (partido de Trump), o absolveu.

Trump era acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso. A primeira acusação remete a um telefonema, em julho passado, entre Trump e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, indicando que o americano estava pressionando o líder da Ucrânia a investigar Joe Biden — pré-candidato democrata para a eleição de novembro — em troca de uma ajuda militar financeira americana. Diferentes testemunhas ouvidas pela Câmara afirmaram que houve uma tentativa de pressionar os ucranianos, algo que Trump negou, dizendo-se vítima de uma “caça às bruxas” partidária.

Críticos afirmam que isso configura tentativa de influenciar as eleições americanas com a ajuda de um país estrangeiro. Alguns senadores republicanos afirmaram publicamente considerar a conduta de Trump reprovável, mas não o suficiente para afastá-lo do cargo, preferindo a avaliação do povo americano nas urnas.



Um ponto importante, porém, é que o proeminente senador Mitt Romney votou a favor da condenação de Trump por abuso de poder, tornando-se o único republicano a defender a saída do presidente e contrariando a maioria de seu partido. Antes da votação, ao explicar seu voto, Romney (que foi o candidato presidencial republicano na eleição de 2012) afirmou acreditar que Trump é “culpado de um estarrecedor abuso da confiança pública”.A segunda acusação da Câmara, de obstrução do Congresso, tentava imputar ao presidente uma suposta tentativa de dificultar as apurações legislativas sobre sua conduta. A acusação também foi rejeitada.

Pouco depois da votação, Trump não escreveu nada no Twitter, mas postou um vídeo que o mostra “em campanha para todas as eleições futuras”. Seu chefe da campanha de reeleição de Trump, Brad Parscale, afirmou em comunicado que “agora é hora de voltar ao negócio (relacionado) ao povo americano”. “Esse terrível suplício (do julgamento) sempre foi uma tática de campanha de invalidar os votos de 63 milhões de americanos em 2016 e um esforço de interverir na eleição de 2020”, opinou.


Categorias
MundoNotíciasPolítica
PUBLICIDADE
------- PUBLICIDADE -------

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Close Bitnami banner
Bitnami