Investigação do MP aponta que 915 professores estão com diplomas falsos no ES

Uma lista com os nomes de 915 professores que conseguiram diplomas de graduação de forma irregular foi formulada pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES), através da Promotoria de Justiça de Rio Bananal, e entregue à Prefeitura nesta semana. Os nomes foram obtidos após colaboração premiada envolvendo investigados nas duas fases da Operação Mestre Oculto, que desarticulou um esquema criminoso de obtenção de diplomas de curso superior visando a nomeação em cargos públicos.

O MPES levanta outros dados para saber quantos professores estão ou estiveram em sala de aula de forma indevida, usando os documentos fraudados. Os diplomas de graduação, pós-graduação e de cursos livres eram entregues pelas instituições de ensino investigadas sem a necessidade de comparecimento às aulas presenciais ou sem cumprir a carga horária necessária. Segundo o órgão, outras prefeituras e a Secretaria de Estado da Educação (Sedu) também vão receber a lista com nomes de pessoas que usaram desse esquema para conseguir diplomas. Em relação a Rio Bananal, onde as investigações começaram, o MPES quer identificar quais professores apresentaram os diplomas irregulares para ministrar aulas. Caso os nomes sejam confirmados pela prefeitura, os envolvidos vão responder na Justiça por uso de documentos falsos e estarão sujeitos a punições administrativas.

Investigação

Proprietários de instituições de ensino de cidades da região Norte do Estado e pessoas ligadas ao esquema criminoso de venda e compra de diplomas e certificados foram presos durante as investigações das duas fases da Operação Mestre Oculto e também nos desdobramentos, resultando nas operações Estória e Viúva Negra. De acordo com o MPES, 11 pessoas investigadas já foram denunciadas à Justiça.

As diferentes fases das investigações em curso indicam que mais de 1.100 diplomas de graduação na área do Magistério foram obtidos de forma fraudulenta no Norte do Estado. Havia simulação de aulas e de atividades aos alunos. O órgão informou que as fraudes em cursos de pós-graduação são ainda maiores, mas estão sob análise. O MPES também ressaltou que a lista de pessoas que usam diplomas irregulares pode ser ainda maior, já que continuam as investigações de outros institutos de ensino que atuam na região.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação informou que o combate aos diplomas falsos está entre as prioridades da atual gestão e que está em fase de planejamento de ação. Procurada, a Prefeitura de Rio Bananal não respondeu a reportagem.

Fonte: Gazeta Online

FACEBOOK

NOTÍCIAS RELACIONADOS