Notícias

OPERAÇÃO CHICAGO: Polícia Federal e Exército fazem operação em Águia Branca e fecham clube de tiro irregular



PUBLICIDADE



|Por Vinicius Faria Mattos |Uma operação foi realizada neste domingo (31) pela Polícia Federal, por meio de sua Delegacia de Combate a Crimes Contra o Patrimônio e Tráfico de Armas (DELEPAT), e fiscais do Exército apreendeu armas, munições e fechou um clube de tiro que funcionava de forma irregular no município de Águia Branca. Durante a operação foi apreendido uma pistola calibre .380, um revólver calibre .357 e outro revólver calibre .38, e mais de cinco mil munições de diversos calibres.

Segundo a PF a operação foi deflagrada depois de denúncias sobre a realização de torneios de tiro em clube e estande de tiro não autorizado pelo Exército e contou com a participação de 8 Policiais Federais e 11 militares do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados do 38º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro.

No local os policiais  conformaram a irregularidade da realização do torneio de tiros e a venda de munições. Também foram presos em flagrante dois indivíduos portando ilegalmente arma de fogo. Ainda segundo a PF o dono do clube de tiro é um lojista autorizado de funcionamento em Vila Velha e que ele que possui autorização para funcionar em Águia Branca.



4 pessoas foram presas em flagrante, o dono do clube de tiro e o organizador do torneio e vão responder por comércio ilegal de munições. Um Instrutor de Armamento e Tiro também foi preso no local e sua atuação será investigada pela Polícia Federal. A Polícia Federal informou que a legislação exige autorização concedida pelo Exército para cada segmento ligado à atividade de armamento e tiro, e que a autorização deste empresário se limitava ao comércio de armas e de munições na sua loja de Vila Velha. Ele não possuía qualquer autorização para funcionamento de clube ou estande de tiro, e nem para o comércio de munições em Águia Branca.

O Exército autuou 7 atiradores e apreendeu 11 armas de fogo, o que poderá resultar na perda da arma e cassação de seu Certificado de Registro (CR) por estar praticando tiro em clube ilegal. O Exército ainda frisou que o atirador deve estar filiado a clube ou estande de tiro autorizado, sendo sua obrigação verificar a regularidade do local.

Importante: Para o atirador que queira praticar o tiro esportivo é sempre importante procurar um instrutor habilitado com cursos e credenciado pela Polícia Federal para exercer a atividade. Além de se informar se o stand de tiro possui Certificado de Registro (CR) e está apto ao funcionamento.


Categorias
NotíciasOperaçãoPolicial
PUBLICIDADE
------- PUBLICIDADE -------

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Close Bitnami banner
Bitnami