Em destaque

Papa emérito Bento XVI rompe silêncio sobre celibato após sínodo

Há uma proposta no Vaticano que homens casados possam ser ordenados como padres em situações específicas, o que provocaria uma mudança histórica na disciplina de celibato vigente há séculos na Igreja.


PUBLICIDADE



O papa emérito Bento XVI deixou de lado o compromisso de se manter “afastado do mundo” após a renúncia, em 2013, e tornou públicas suas impressões sobre uma controversa proposta que deve ser avaliada pelo seu sucessor, papa Francisco. Em debate, uma flexibilização que permita a ordenação de homens casados em circunstâncias específicas.

Em um livro escrito com o cardeal conservador guineense Robert Sarah, Bento XVI afirma que a tradição do celibato na Igreja Católica é de grande significado por permitir que o sacerdote se concentre em sua vocação. Para Joseph Ratzinger não parece possível exercer a fé e o matrimônio de modo simultâneo. Trechos do livro, ainda não lançado, foram publicados neste domingo (12) pelo jornal francês Le Figaro.

Em sua parte do livro, Bento XVI diz que o celibato, que se tornou uma tradição estável na Igreja somente cerca de 1 mil anos atrás, tem “grande significado” porque permite que um padre se concentre em sua vocação. Ele disse que “não parece possível cumprir as duas vocações (o sacerdócio e o casamento) simultaneamente”.

A manifestação parece surgir como uma tentativa de apelo ao papa Francisco para que não altere as regras vigentes na Igreja, conforme sugerido durante o Sínodo da Amazônia, realizado em outubro de 2019. Uma das propostas que constam do documento final da reunião recomenda que “homens casados de virtude comprovada” possam se ordenados (após formação adequada) para desenvolver o sacerdócio em áreas remotas. A intenção é garantir a celebração de missas em regiões isoladas e permitir que fiéis recebam os sacramentos de forma regular.



A posição do papa Francisco sobre a questão (e outras levantadas durante o Sínodo) deve ser conhecida em 2020, com a divulgação de um documento próprio, a Exortação Apostólica. Caso a proposta seja acatada, alas mais conservadoras da Igreja Católica acreditam que ela poderia levar a mudanças mais profundas na tradição do Vaticano.”

Em uma introdução conjunta, os dois religiosos dizem que não poderiam silenciar a respeito do sínodo de outubro, que em alguns momentos provocou choques entre veículos de mídia católicos progressistas e conservadores, sublinhando a polarização na Igreja de 1,3 bilhão de fiéis. A proposta sugere que homens casados mais velhos que já são diáconos da Igreja, têm um relacionamento familiar estável e são líderes comprovados de suas comunidades sejam ordenados depois de uma formação adequada.


Categorias
Em destaqueMundoNotícias
PUBLICIDADE
------- PUBLICIDADE -------

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Close Bitnami banner
Bitnami