Casagrande afirma que anistia aos policiais militares é para “fechar ferida”


O governador do Espírito Santo Renato Casagrande (PSB)  disse na manhã desta terça-feira (15), em pronunciamento antes de entrevista coletiva no Palácio Anchieta, que busca fechar ferida na área de segurança pública com o projeto de Lei para conceder anistia das penalidades e procedimentos administrativos abertos contra os policiais militares em razão da greve em fevereiro de 2017. O governador convocou, extraordinariamente, que a Assembleia Legislativa analisasse o projeto antes da votação.

De acordo com a Assembleia Legislativa, a convocação foi aprovada segunda-feira (14). A leitura da matéria aconteceu na tarde de ontem, o projeto de anistia foi votado na manhã de hoje e foi aprovado pelos deputados. No seu pronunciamento, o governador Renato Casagrande avaliou que a paralização dos militares teve erros tanto do movimento como do Governo do Estado. “Um mês triste da Sociedade Capixaba”, afirma. O governador entende que o fato serviu de exemplo para o novo governo ter um diálogo aberto com as corporações e para que os manifestantes não repitam a atitude. O governador acrescenta que, sem a anistia, o trabalho da Corregedoria ficaria restrito aos casos sobre o movimento, devido a quantidade de processos administrativos instaurados ou a instaurar.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------

Acompanhando o governador, o secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, presente na entrevista coletiva, detalhou que em razão do movimento em fevereiro de 2017, são 2.622 procedimentos administrativos instaurados ou a instaurar e 23 policiais já excluídos. Ele frisou que atualmente a corporação tem aproximadamente 8 mil militares, dois mil a menos que em 2014 e que sem anistia quase um terço fica respondendo a processo. Ele acrescenta que cerca de 500 policiais tiveram afastamento por questões de saúde.

Também presente, o delegado geral da Polícia Civil José Darcy Santos Arruda, disse que em fevereiro de 2017 foram abertos 224 inquéritos de morte violenta, sendo que em 141 o inquérito foi concluído com definição de autoria e encaminhado à Justiça. Para os demais, foi designado nesta terça-feira (15) dois delegados no sentido de trabalhar nestes inquéritos que restam. O delegado Arruda enfatiza que nos inquéritos concluídos não teve constatação de participação de policiais militares.

------- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -------


FACEBOOK
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

NOTÍCIAS RELACIONADAS