Delegacia de São Gabriel da Palha cria cartório para atendimento a mulheres vítimas de violência

O delegado Dr. Bruno Alves Rodrigues, titular da delegacia conversou com o Portal Momento e falou sobre os números de casos registrados em 2018 nos municípios de Vila Valério e São Gabriel da Palha.

Dados do Conselho Nacional de Justiça mostram que o Espírito Santo está no topo do registro de agressões contra mulheres, em São Gabriel da Palha por exemplo foram cerca de 15 casos registrados desde o primeiro dia do ano até agora, ou seja, a média de um caso por dia. A delegacia de Polícia Civil de São Gabriel da Palha criou desde o ano passado o Cartório Especializado de Atendimento a Mulher (CEAM), um cartório específico para atender as mulheres vítimas de violência doméstica; o delegado Dr. Bruno Alves Rodrigues, titular da delegacia conversou com o Portal Momento e falou sobre os números de casos registrados em 2018 nos municípios de Vila Valério e São Gabriel da Palha. Segundo o delegado, diariamente são registradas ocorrências de agressão e crime contra mulheres e como a delegacia não tem delegada para atuar na delegacia da Mulher, um cartório foi criado para atender esses casos.

O delegado explicou que o CEAM foi implantado com o objetivo de atender à legislação e dar maior dignidade às vítimas, “É uma sala reservada, com acesso restrito aos profissionais que atendem esse tipo de ocorrência, temos uma equipe de servidores que fazem os atendimentos ás mulheres que são vítimas de agressões e violência doméstica. Com isso, nós procuramos humanizar e dar confiança as vítimas na hora do depoimento”, destacou o delegado.

Os números mostram que em 2018 foram registrados  151 ocorrências pela Polícia Militar e 106 inquéritos foram instaurados em São Gabriel da Palha e 32 em Vila Valério, para o delegado esses números poderiam ser maiores, pois muitos casos não são denunciados pelas vítimas” Esses números, foram apenas de mulheres que após o registro da ocorrência, deram seguimento com a representação policial, que se tornou inquérito, esses inquéritos são de vários tipos de crime, entre eles lesão corporal, ameaça, agressão, tentativa de feminicídio, “, ponderou o delegado Bruno Alves.

De acordo com o delegado quando o agressor é pego em situação de flagrante, ele é conduzido para a delegacia, a vítima passa por exames médicos e o agressor é preso e autuado nos termos da Lei Maria da Penha; após isso, a vítima é encaminhada para atendimento piscossocial com profissionais do CREAS, e  passa a receber visitas tranquilizadoras e em alguns casos a Polícia Civil requer a justiça uma medida protetiva, destacou o delegado.

Mulheres recebem palestras sobre o tema dentro das indústrias de confecção

No ano passado um trabalho realizado pelo CREAS em parceria com a Polícia Civil e Polícia Miltar levou palestras para mulheres que trabalham dentro das indústrias de confecção em São Gabriel da Palha, a ação foi referente ao dia de enfrentamento á violência contra a mulher, comemorado no dia 25 de novembro.

A coordenadora do CREAS – Centro de Referência Especializado de Assistência Social, Darlen Alves explicou que esse ciclo de palestras teve como gerador impulsionante o alto índice mundial de agressões e mortes de mulheres, inclusive no Espírito Santo que teve um índice alto. “Todos nós somos responsáveis pela prevenção desse tipo de violência, convidamos a Polícia Civil e a Polícia Militar para juntos irmos para dentro das fábricas e falar sobre esse assunto, as polícias explicaram quais as atividades desenvolvidas por essas instituições e também  pela equipe do CREAS no enfrentamento e combate á violência contra a mulher, fomos em 8 fábricas e atingimos um público de cerca de 800 pessoas”, destacou a coordenadora do CREAS.

FACEBOOK

NOTÍCIAS RELACIONADOS