Notícias

Jovem de 21 anos é estuprada por músicos de DJ depois de baile funk em Linhares

A Polícia prendeu  três suspeitos de praticarem um estupro coletivo contra uma jovem de 21 anos em um hotel, em Linhares, o estupro aconteceu após um baile funk , os acusados foram presos na tarde deste domingo (22). Eles fazem parte da equipe de um DJ de Vitória, que se apresentou em uma boate no bairro Três Barras na noite de sábado (21). Outros três jovens também foram acusados pela vítima, mas foram ouvidos na 16ª Delegacia Regional de Linhares e depois liberados.

Gabriel Rodrigo Celestino, de 24 anos, Victor Hugo Cândido Alves, de 20 anos, e Richerd Lobão dos Santos, de 20 anos, foram presos acusados de participação no estupro coletivo. A informação é do delegado plantonista Eudson Ferreira Bento. “O exame de corpo de delito confirmou o estupro. O Gabriel, que mantinha um relacionamento com a vítima, foi quem instigou os outros suspeitos a cometer o estupro”, explicou o delegado. Ainda segundo ele, os suspeitos estão detidos na delegacia e devem ser transferidos para o Presídio de Xuri, em Vila Velha, nesta segunda-feira (23).

O estupro coletivo teria acontecido na manhã deste domingo, em um hotel do Centro de Linhares onde o DJ e sua equipe ficaram hospedados após o baile funk na boate. De acordo com o que a vítima disse em depoimento à polícia, Gabriel, Victor, Richerd e os outros três jovens mantiveram relação sexual com ela sem consentimento. Ao delegado, um dos suspeitos liberados, de 18 anos, negou participação. Já os outros cinco disseram que a relação teve o consentimento da jovem.

O que diz a defesa?



A defesa dos acusados disse que não havia provas de autoria e nem materialidade contra os três suspeitos que foram liberados. Sobre os três detidos, a defesa afirmou que não há provas contundentes contra eles e que a relação sexual foi consentida. Questionados sobre o exame de delito, que confirmou o estupro, os advogados alegaram que as lesões na vítima são compatíveis com uma relação sexual consensual. O DJ que se apresentou no baile funk e foi liberado após depoimento na delegacia postou um vídeo em sua rede social, na tarde de domingo (22), e negou o crime. “O boato que está rolando é tudo mentira”, defendeu-se. O nome dele não foi divulgado pela polícia, pois ele foi liberado.

Gazeta Online
Categorias
NotíciasPolicial
Facebook Pagelike Widget
------- PUBLICIDADE -------