Economia

Projeto de comercialização de pimenta do reino pela Cooabriel completa três meses de negócios com os cooperados

Dados do Incaper (Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural), mostra que assim como o café conilon, o Espírito Santo também é o maior produtor da pimenta-do-reino. O plantio tem aumentado no Estado e agora conta com mais um incentivo aos produtores, há cerca de três meses, a Cooabriel deu início às operações de negócios com a cultura a partir do projeto piloto instalado em Vila Valério-ES no antigo armazém de café. Desde então, volumes consideráveis do produto estão sendo recebidos pela cooperativa.

O projeto que está sendo implantado vem atender a anseios de cooperados que já trabalhavam com a pimenta-do-reino.  Com cerca 60% dos seus mais de seis mil cooperados produzindo pimenta-do-reinohavia uma grande demanda para a Cooabriel trabalhar com este produto. Essa iniciativa é considerada mais um benefício que a cooperativa oferece aos seus cooperados. Assim como o café, eles contam também com a armazenagem segura e a comercialização da pimenta.

A estrutura de Vila Valério, primeira unidade de pimenta-do-reino da cooperativa, é a base do projeto e várias avaliações vêm sendo feitas em toda dinâmica do negócio. Atualmente o local recepciona, realiza o processo de limpeza, classificação, armazenagem e comercialização. A princípio, a recepção do grão será realizada somente nesta unidade piloto e o transporte da pimenta até este armazém deve ser feito pelo cooperado.

“A pimenta-do-reino costuma ter duas colheitas por ano. Em 2021, tivemos a primeira experiência na metade do ano e estamos nos preparando para a próxima recepção, com um volume maior no fim do ano. Mas já observamos uma grande adesão dos cooperados”, disse o gerente corporativo de comercialização da Cooabriel, Edimilson Calegari.



Para o sócio comercializar a pimenta na Cooperativa, o procedimento é o mesmo feito com o café. Ele comercializa o produto de acordo com sua necessidade através de telefone ou aplicativo e também presencialmente (nesse último exemplo, apenas na unidade de Vila Valério).  A tabela de preço varia de acordo com a classificação por tipo de pimenta.

O sócio de Vila Valério, Jeremias Groner, tem como carro-chefe a produção de café, uma tradição de família. Entretanto, decidiu apostar também na pimenta-do-reino. “Para a próxima safra planejo ampliar minha área de produção. A Cooabriel oferece uma prática de preços justos, o que nos dá segurança”, finalizou.

De acordo com o gerente do armazém de Vila Valério, Jonathas Kloss, a entrada da Cooabriel no negócio tem deixado os produtores satisfeitos. “Isso ocorre devido a alguns fatores, como a credibilidade da cooperativa, facilidade na comercialização (pois é possível comercializar nos canais da Cooabriel: presencial, central telefônica e aplicativo). Hoje, os sócios têm no mesmo local a armazenagem e a comercialização. A cada dia, é maior a procura dos sócios para iniciar o negócio com a pimenta”.

Categorias
EconomiaGeralNotícias
Facebook Pagelike Widget